Ciro de Quadros, incansável no impulso à vacinação

Há pessoas que passam pelo mundo e conseguem deixar na sociedade uma marca indelével. Este é o caso de Ciro de Quadros, epidemiologista brasileiro que se consagrou como um dos cientistas pioneiros na erradicação da varíola no mundo e na eliminação da poliomelite, do sarampo e da rubéola na América. O cientista gaúcho morreu no último 29 de maio, aos 74 anos, em sua casa nos Estados Unidos.

Mesmo sofrendo de carcinoma no pâncreas, o médico exerceu suas atividades e viajou até três semanas antes de seu falecimento.  Sua morte foi anunciada ao mundo pela fundação espanhola BBVA, que em 2011 concedeu ao médico o prêmio Fronteras del Conocimiento pelo seu trabalho em promover a vacinação no mundo e investigar novas formas de imunização. Na ocasião, Ciro de Quadros afirmou que o prêmio reforça a percepção de que as vacinas não só melhoram a saúde global, mas também a riqueza global.

Enquanto trabalhava para ampliar a cobertura de vacinação e desenvolver novos métodos de imunização, Ciro de Quadros apertava insistentemente na tecla de que todos devem se implicar nesta causa. Ele falava constantemente da relação entre saúde e desenvolvimento. Para conhecer os feitos desse brilhante cientista e humanista, escute a reportagem emitida em português pela RNE/ Radio Exterior de España (minuto 13’20”).

PLAY