Espanha cruza o oceano em busca de trabalho

Em um país onde a taxa de desemprego juvenil supera os 57%, para muitos não há outra alternativa senão cruzar a fronteira e até o oceano. Na Espanha, seis de cada dez cidadãos menores de 25 anos estão fora do mercado formal de trabalho.

Em reportagem veiculada hoje, o jornal Cinco Días cita que dois de cada três jovens espanhóis estão buscando trabalho fora da Espanha. Os dados são baseados em estudo elaborado pelo InfoJobs Esade sobre a situação do mercado de trabalho no país. Conforme esta pesquisa, 51% dos jovens consultados confessam estar dispostos a buscar oportunidades fora do território espanhol.

Cerca de 65% dos entrevistados declararam preferência por outros países europeus, sobretudo Grã Bretanha, Alemanhã e Irlanda. Outros 51% cogitam fazer as malas rumo aos Estados Unidos, Canadá e América do Sul.

Nesta reportagem, produzida em novembro de 2012 para a Radio Nacional de España, abordo que o número de cidadãos deixando a Espanha já superava a entrada de estrangeiros e chamei a atenção para a fuga de talentos. Espanhóis contam seus planos e brasileiros relatam que, agora, se escuta muito castelhano pelas ruas, reflexo da chegada de espanhóis e dos vizinhos latino-americanos.

Na Espanha, houve um expressivo aumento do interesse por idiomas antes considerados exóticos, como explico nesta matéria. Esta procura está alterando sobremaneira o panorama espanhol no que diz respeito ao desconhecimento de idiomas, já que o país ocupa uma das piores posições na União Europeia neste quesito.

A crise na Espanha também está empurrando empresários ao Brasil, para muitos o novo Eldorado. Até em setores tradicionalmente fortes no país ibérico, como é o caso do turismo, se verifica esta evasão empresarial. As escolas de negócios não estão indiferentes aos novos tempos e, em vez de prepararem os estudantes para cargos diretivos dentro de empresas, estão ensinando como empreender novos negócios, como tratado nesta entrevista.

Mesmo as pequenas e médias empresas espanholas, que até então nunca precisaram abandonar sua zona de conforto, já arregaçam as mangas para prosperar fora das fronteiras espanholas, conforme vários relatos nesta reportagem.

Fora do universo empresarial, a mudança nos fluxos migratórios também é vista nas ruas. Nesta entrevista, uma acadêmica especializada em imigração e prostituição conta que os trabalhadores do sexo também estão de malas prontas. Muitos alugam suas casas aqui na Espanha e se dirigem aos seus países de origem. Outros preferem seguir na Europa e buscam mercados em melhor situação econômica, como é o caso da Suécia.

Outras reportagens e entrevistas relacionadas com o tema podem ser encontradas no arquivo do blog. 🙂

É outro contexto, mas os espanhois que não conseguem trabalho se vêem obrigados a fazerem as malas, como fizeram seus antepassados décadas atrás

É outro contexto, mas os espanhois que não conseguem trabalho se vêem obrigados a fazerem as malas, como fizeram seus antepassados décadas atrás