Música serve pra isso

DivulgaçãoTudo é música. E mais, tudo é música boa. Esse era o pensamento da banda Os Mulheres Negras – assim mesmo, com o artigo definido masculino e com dois homens brancos à sua frente. André Abujamra (voz, guitarra e teclados) e Maurício Pereira (sax, voz) multiplicavam os sons com o uso de equipamentos eletrônicos (samplers, sintetizadores e bateria eletrônica) e, por isso, se consideravam “a terceira menor Big Band do mundo”.

Com letras irreverentes, humor e muita performance, os Mulheres Negras inovaram o pop dos anos 80 combinando gêneros e ritmos aparentemente imiscíveis. Rock, punk, funk, baião, bossa nova e até lambada eram referências para estes artistas que se autodenominavam “os filósofos do pop”.

A história dos Mulheres Negras e de sua estética musical foi contada pelos cineastas Bel Bechara e Sandro Serpa no filme Música Serve pra Isso.

O documentário representou o Brasil este ano no festival In-Edit, em Barcelona. Bel e Sandro falam nesta entrevista à RNE/ Radio Exterior (minuto 8’21”) sobre o que os atraiu na escolha dos Mulheres Negras como tema do filme e como esta banda mudou sua maneira de escutar música (eles terão descoberto a serventia da música?).

Os diretores de cine também falam de seus novos projetos, entre eles um documentário sobre o funk carioca, e sobre a situação do cinema brasileiro – seus avanços e seus nós.

* Em tempo: Os Mulheres Negras estão voltando…

PLAY

 

1