Pelos rincões mais ermos da Catalunha

1_microcatEm um mundo cada vez mais urbano, onde a pressa e as aglomerações ditam o ritmo e o rumo, é difícil imaginar a que passo vão as microcidades, o que acontece nestes rincões e que histórias seus habitantes têm para contar. Com uma furgoneta na estrada e muitas ideias na cabeça, o fotógrafo Edu Bayer e o jornalista Marc Serena decidiram investigar como vivem os moradores das menores cidades da Catalunha. Por meio do MicroCatalunya, os dois estão mapeando e documentando municípios com menos de 500 habitantes, que representam um terço de todas as cidades catalãs, mas concentram apenas 1% da população da região.

Bayer e Serena têm encontrado histórias tão surpreendentes como fascinantes. Como a de Andrés e Maialen, dois jovens que moram em Ulldemolins, povoado do Priorat com pouco mais de 400 habitantes, e que são uma sensação musical no mundo virtual Second Life, com mais de dois mil concertos realizados através de uma tela. Com o dinheiro que arrecadam tocando para esta comunidade virtual, além da confecção de roupas para os avatares do Second Life, eles sustentam os seus familiares mais próximos, que não têm trabalho no mundo real.

O7A6614Em suas andanças pelos lugares mais recônditos, os jornalistas também conheceram Eva Farran, que montou uma associação para recuperar e reabilitar cavalos abandonados, cada vez em maior número, já que, com a crise, muitos de seus donos já não podem lhes manter. Tamanho é o convívio e a cumplicidade que Farran sente poder comunicar-se por telepatia com os cavalos.

Nesta entrevista emitida pela RNE/ Radio Exterior de España (link abaixo, no minuto 11’45”), Edu Bayer nos conta que, 50 anos atrás, metade da população da Catalunha vivia nas zonas rurais. Hoje, este porcentual caiu a 1%. Entre dados muito interessantes e histórias de vida, ele discorre, também, sobre os riscos implícitos nesta diáspora do campo para a cidade. Confira!

PLAY

microcat2

Todas as fotos são de Edu Bayer.

4