Um piano aberto e generoso

Moura-Castro-Luiz-01Não é à toa que Luiz Carlos de Moura Castro foi eleito um dos professores de piano mais queridos e respeitados dos Estados Unidos. Em sua longa jornada como musicista e professor, o brasileiro insiste na importância de a música se converter em um ato de transcendência, e não uma jogada comercial.

Nesta entrevista à rádio (link abaixo), o veterano nos explica como, 46 anos depois de deixar sua terra natal, a “brasilidade” ainda permanece em sua forma de tocar, inclusive quando executa peças de compositores estrangeiros. Os músicos brasileiros, diz o pianista, “cultivam uma sonoridade menos ágria”.

E diante desta forma de tocar do brasileiro, do ritmo e da sonoridade mais abertos e generosos, nas palavras deste mestre, como reagem os músicos de outros países? Moura Castro, que rodou o mundo tocando e lecionando, nos dá a clara ideia deste fascínio que levou tantos pianistas consagrados a passarem um tempo em terra brasilis.

Foto: Carolina de Santis

Depois do concerto e da entrevista em Barcelona
Foto: Carolina de Santis

Luiz Carlos de Moura Castro também nos fala sobre a dificuldade que enfrentam hoje os pianistas no Brasil, país que, como enfatiza o professor, é herdeiro de uma grande tradição pianística. E também fala dos riscos, e suas razões, de as crianças brasileiras perderem o tino musical.

Natural do Rio de Janeiro, Moura Castro deu o seu primeiro recital nesta cidade aos 9 anos de idade, no Teatro Municipal. Desde então, se apresentou com as mais importantes orquestras internacionais e tem mais de 40 discos gravados. Mora no exterior desde 1968 e atualmente vive nos Estados Unidos. Na Espanha, lecionou durante 30 anos como professor-visitante e tem um cargo no Conservatório Superior de Música no Liceu de Barcelona.

Confira a entrevista emitida pela Radio Nacional de España/ Radio Exterior (introdução a partir do minuto 9’17”).

PLAY
4